Biografia

Sara Braga Simões venceu vários prémios nacionais e internacionais.

A crítica internacional de ópera descreve-a como uma soprano de extensão impressionante (Opera Now) e com um desempenho excepcional (Opera Magazine).

Em Ópera, interpretou já vários papéis principais dos quais se destacam Pamina (A Flauta Mágica), The Governess (The Turn of the Screw, Britten), Donna Elvira (Don Giovanni), Gretel (Hänsel und Gretel), Susanna (Le Nozze di Fígaro), Despina (Così fan Tutte), entre muitos outros.

O seu repertório concertístico abarca obras de compositores como Pergolesi, Vivaldi, Ravel, Dvořák, Berio, George Crumb, George Benjamin, Peter Maxwell Davies e também as obras Ein Deutsches Requiem, de Brahms, Des Knaben Wunderhorn, de Mahler e Les Nuits d’étè de Berlioz, entre outras.

Fez a estreia absoluta de muitas obras de compositores como João Pedro Oliveira, Nuno Côrte-Real, Luís Tinoco e Aubert Lemeland. Em 2010 teve o seu debut em Londres (com a London Sinfonietta), na estreia absoluta da ópera O Sonho de Pedro Amaral.

Foi dirigida por maestros como: Lawrence Renes, Martin André, Stefan Asbury, Peter Rundell, Johannes Willig, Laurence Cummings, Ferreira Lobo, Cesário Costa, Marc Tardue, Osvaldo ferreira, Pierre-Andre Valade, entre outros.

Gravou, com o pianista Luís Pipa, a integral da obra para Canto e Piano de Eurico Thomaz de Lima.

Ao longo do seu percurso académico, Sara Braga Simões teve como mestres Manuela Bigail, Rui Taveira, Peter Harrison e Elisabete Matos. Actualmente, trabalha com Susan McCulloch, em Londres.

Comentários